sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Auto-Estima




Quando me amei de verdade,
pude compreender
que em qualquer circunstância,
eu estava no lugar certo,
na hora certa.
Então pude relaxar.

Quando me amei de verdade,
pude perceber que o
sofrimento emocional é um sinal
de que estou a ir contra a minha verdade.

Quando me amei de verdade,
parei de desejar que a minha vida
fosse diferente e comecei a ver
que tudo o que acontece contribui
para o meu crescimento.

Quando me amei de verdade,
comecei a perceber como
é ofensivo tentar forçar alguma coisa
ou alguém que ainda não está preparado
- inclusive eu mesma.

Quando me amei de verdade,
comecei a livrar-me de tudo
que não fosse saudável.
Isso quer dizer: pessoas, tarefas,
crenças e - qualquer coisa que
me pusesse para baixo.
A minha razão chamou a isso de egoismo.
Mas hoje eu sei que é amor-próprio.

Quando me amei de verdade,
deixei de temer o meu tempo livre
e desisti de fazer planos.
Hoje faço o que acho certo
e no meu próprio ritmo.
Como isso é bom!

Quando me amei de verdade,
desisti de querer ter sempre razão,
e com isso errei muito menos vezes.

Quando me amei de verdade,
desisti de ficar a reviver o passado
e de me preocupar com o futuro.
Isso mantém-me no presente,
que é onde a vida acontece.

Quando me amei de verdade,
percebi que a minha mente
pode atormentar-me e decepcionar-me.
Mas quando eu a coloco
ao serviço do meu coração,
ela torna-se uma grande e valiosa aliada.

1 comentário:

nuno disse...

Quando começa-mos a amar-te tu foges e ergues um muro enorme em redor de ti...mas amamos-te á mesma!