quarta-feira, 9 de julho de 2008

Into Dust!

Que importa restarem cinzas se a chama foi bela e alta?












A vida é um incêndio: nela
dançamos, salamandras mágicas
Que importa se restarem cinzas
se a chama foi bela e alta?
No meio os toros que desabam,
cantemos a canção das chamas!
Cantemos a canção da vida,
na própria luz consumida...
Eu gostava de ser cinzas a poeira. Eu gostava que a minha centelha se queimasse numa chama brilhante a que ela fosse destruída por envelhecimento seco. Eu gostava de ser um meteoro soberbo, cada átomo do meu corpo num brilho magnificente, do que um planeta permanente e estático.......

2 comentários:

Carlos disse...

Magnifico!!!!!!!!!!!!!!!!!

nuno disse...

Muito bonito!
O poema e a banda sonora em comunhão! Só tenho pena de não estar perto de ti e dar-te aquele abraço!