segunda-feira, 16 de março de 2009

Noite



Observo-te!...O Teu campo, o teu domínio
A Tua grandeza, a tua proporção
Causa em mim, um tal fascínio
Que me entrego à contemplação...

Um oceano negro, salpicado
Reluzindo um brilho desigual
Em cada ponto teu, que é prateado
Há uma incerteza natural

Envolve a Terra com simplicidade
Interfere no comando da razão
Negas ao mundo a tua claridade
Pois o teu segredo, habita na escuridão

Os astros, súbditos de teu reinado
São carícias, no teu revolto manto
Inspiram mistérios velados
Que chegam a causar-me espanto...

Sugere sempre o desconhecido
Incita toda a sensibilidade
Dominas o rumo de quem foi vencido
Pela fraqueza da curiosidade...

Causa-me inquietação
Quase um medo de te conhecer
Receio a tua força, a tua solidão
Quando te afastas ao amanhecer...

Céu... Infinito... Paraíso!
Quem sabe o que és realmente
Permaneces num acto conciso
Acolhendo este planeta incoerente...

Os meus olhos brilham ao observar-te
Porto de almas infantis!
O meu coração deseja revelar-te
O quanto na verdade, me fazes feliz...

3 comentários:

nuno disse...

A noite é sem dúvida um momento muito inspirador!

tina disse...

Ainda andas inspirada apesar desse barrigão!?
Deve ser da maternidade!!!!!!
Estava a brincar :)
Ainda bem que assim é, pois podemos continuar a visitar o teu blogue e a ser presenteados com o que vai nessa cabecinha linda!
Quando a Inês nascer vê-lá se dizes qualquer coisa.....
Aquele abraço!

Anónimo disse...

Gostava tanto de te poder dizer tudo o que me vai na alma mas sei que é impossível pois nunca me perdoas-te, como tal limito-me a vir beber da tua escrita e assim levo sempre um pouco de ti.....